sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Um conto meu.


A noite estava deserta. Nenhum rumor na rua, mas na casa 76, a ultima dessa rua chega aos gritos uma mulher desesperada e que consequentemente acordou a casa inteira para dar a noticia. Mataram o tio-avô de seu marido e ele seria o único herdeiro, o único de todos seus milhões.
Na manhã seguinte foram até o tabelião para que ele lêsse o testamento. Sentaram-se, o tabelião começou a ler. A primeira frase, estava até destacada, dizia assim: Não deixo nada para o meu sobrinho. Aquele ..., aquele, que não merece meu dinheirinho. O resto dizia que ele queria doar tudo para uma instituição.
No rosto do sobrinho surgiu uma expressão assustada junto com raiva, já estava ficando vermelho, o sangue fervendo. A mulher já sabendo que ele não gostava do tio, fez de tudo para ele se acalmar, o tabelião pediu um copo d' água para a secretaria. Logo que ela chegou, o homem empurrou o copo para o chão. Ele estava muito nervoso, saiu da sala sem dizer nada, foi chutando a porta, foi ignorante com todos. Saiu do prédio onde ficava o escritório do tabelião e não percebeu nada a sua frente. Escutou-se buzinas e pessoas correndo, o homem sofreu um acidente e morreu na hora. Tudo por causa do dinheiro que ele não ganhou.

Um comentário:

Keel Diniz disse...

Chocante!
Que adianta ter dinheiro se não tem certeza da continuação da própria vida nos passoa à frente?!

:)